quarta-feira, 5 de agosto de 2009

A era da "fagocitose digital"?


Tudo numa coisa só? Difícil...

"O rádio está com os dias contados". Essa era uma frase muito comum na década de 1920, quando surgiram os primeiros aparelhos de televisão. Até que é compreensível os motivos que leveram alguns a dizer tal coisa, pois aquele "microondas" (como diz Marcelo Tas) era uma versão melhorada dos velhos rádios. Ele transmitia imagens e sons, enquanto no rádio era possível somente a transmissão de som. Anos depois, vemos que isso se provou uma enorme bobagem, porque as transmissões radiofônicas continuam a todo vapor, através de milhares de emissoras em todo o mundo. Além disso, mesmo que estejamos em pleno século 21, ainda existem pessoas que só conseguem se inteirar do que acontece à sua volta através da radiocomunicação. Claro que com o passar dos séculos, a televisão passou a ocupar lugar de destaque nos lares de todo o mundo, mas sempre dividindo o espaço com o rádio.

Hoje em dia, o que vemos é uma verdadeira epopéia tecnológica. Todos os dias somos bombardeados com novas tecnologias e novas maneiras de se comunicar. A mais famosa delas, a internet, além de revolucionar a forma como nos comunicamos, praticamente derrubou todas as barreiras geográficas que separam as pessoas, facilitando demais os contatos com outros povos e culturas. E, pensando bem, uma das áreas que mais se beneficiou com ela foi a jornalística. Explico: através da internet, podemos... quer dizer, os jornalistas (ainda tô estudando) podem informar em tempo real o que está acontecendo em qualquer lugar do mundo. Claro que nem sempre a informação é correta ou completa, mas se formos comparar com o que acontecia anos atrás, esse foi um passo gigantesco! Mais ainda, diferente do jornal impresso, a internet está em constante atualização, justamente pelo que foi dito antes.

O que a previsão do fim do rádio, feita há 80 anos, tem a ver com a atual situação da internet? Simples: por ser aberta e livre para que qualquer um a programe da maneira que bem entender, a internet passou a agrupar em um único lugar (ou seja, nela mesma) as funções do jornal impresso, do telefone, da televisão, do correio, das bibliotecas, do próprio rádio (coitado) e de qualquer outro meio de comunicação que você possa imaginar. Vale lembrar que todos eles só saíram ganhando com esse "englobamento". Porém, é impossível não pensar numa pergunta: todos não correm o risco de sumir por causa do "www"?

É uma questão interessante, mas, se levarmos em conta a tal "sentença de morte" dada ao rádio na década de 20, vemos que não há motivo pra pânico. Basta parar pra pensar. Mesmo que na internet haja toda uma dinamicidade, existem coisas que não podem ser feitas nela (dá pra fazer orelha numa página da web?). Além disso, assim como qualquer outro suporte, a internet é passível de erros, justamente por querer ser ágil demais. Antes de chegar às bancas, um jornal impresso é revisado várias vezes. Isso não acontece com frequência na internet, fazendo com que alguns textos cheguem até nós "mancos de uma das pernas".

Por isso, o mais lógico é pensarmos numa complementação (ou seria sinergia?) de todos os meios de comunicação. Mesmo com toda a fama que a web tem, ela não é onipotente. Uma afirmação dessa hoje parece ridícula, mas não há outro modo de pensar. Claro que existem casos em que ela pode servir como substituta, como no caso de livros impressos que, para serem produzidos, exigem a derrubada de várias árvores. Daqui há alguns anos, como disse certa vez Allan André (editor da PS3W), isso vai pegar muito mal, fazendo com que os e-books se popularizem entre aqueles que querem fazer sua parte para a preservação ambiental. Mas daí a pensar que tudo o que conhecemos vai virar um amontoado de "zeros e uns" no mundo digital é um grande exagero! Não sei se essa substituição vai ocorrer no futuro, mas se realmente vier a acontecer, vai ser num século muito, muito distante (assim como a galáxia de Star Wars). Disso eu tenho certeza.

P.S.: ler um e-book atualmente dá uma dor nos olhos...

3 comentários:

Leandro Ribeiro disse...

a aula de hoje foi bem lcrativa. É bom expor nossas ideias e opiniões, por mais que o tema se pareca canstaivo, sempre encontramos formas de torná-lo interessante. e você conseguio.

abraços.

Ludmila disse...

sem falar que não é todo mundo que tem acesso em tempo integral à nossa querida worldwide web. :~

e existem conservadores, como a minha pessoa, que detestam ler algo extenso demais no PC. Minha miopia não permite. Meus olhos protestam. Enfim..

:*

dEREK disse...

Pois é...
Esqueci de dizer que a SONY do Japão está desenvolvendo monitores tão finos quanto uma folha de papel, que podem ser dobrados e tudo mais!

Ou seja... coitados de nós, conservadores!

Parafraseando a mim mesmo... espero que o futuro demore muito a chegar!

=)