terça-feira, 11 de agosto de 2009

Pode dizer isso nesse horário?


"Censura é o uso pelo estado ou grupo de poder, no sentido de controlar ou impedir a liberdade de expressão. (...) No sentido moderno, a censura consiste em qualquer tentativa de suprimir informação, opiniões e até formas de expressão, como certas facetas da arte". Essa é a definição que a Wikipédia dá para essa palavra que é ao mesmo tempo tão forte e tão combatida por nós (ah, que se dane!) jornalistas.

No passado, mais precisamente na época da ditadura, a censura em nosso país teve seu maior momento, com vários ataques a jornalistas e artistas, com muitas músicas e expressões artísticas sendo vetadas por conterem algo subversivo ou de caráter "ofensivo" ao governo ou à população. O único porém disso tudo é que os ataques rotineiramente caiam sobre aqueles que tentavam mostrar a real face do regime ditatorial em nosso país. Por conta disso, houve um grande número de pessoas sendo presas, extraditadas e, nos casos mais graves, torturadas e mortas.

Mas não pense que os ditadores só se preocupavam em tentar reprimir toda e qualquer forma de comunicação mais, digamos, aberta. Eles próprios sabiam usar a máquina da propaganda (e por extensão, a máquina da imprensa) como ninguém, para se auto-promover e tentar "maquiar" as barbaridades cometidas por eles. Até que funcionou por um certo período, mas tão logo o regime caiu, ficou provado que tudo não passava de um "belo" engodo.

Atualmente, não se veem tantos casos de repressão causada pela censura. Eles até existem, mas não são tão irredutíveis quanto o foram no passado. Os censores de hoje estão mais preocupados com o que as crianças podem ver ou não na tv, no cinema e em qualquer outra forma de comunicação. Já houveram casos em que autores tiveram de mudar suas obras, mas nada que viesse a chocar pela brutalidade ou pela "bobagem" alegada para tal atitude por parte de quem veta. Só uma coisa não mudou: diferente dos E.U.A., a censura aqui ainda é função do governo e não de órgãos responsáveis por isso, como existem no país de nossos vizinhos yankes.

Você já parou pra pensar como é a sensação de ser censurado? Olha, por experiência própria (eu ainda nem sou formado mas já fui "barrado" umas 4 vezes), posso dizer que é uma sensação muito ruim e, até certo ponto, interessante. Você fica pensando se fez alguma besteira por dizer ou fazer determinada coisa. Mas o pior mesmo é quando você é impedido de expor sua opinião, mesmo antes de fazer menção de expô-la. Agora imagine, se já é ruim ficar imaginando coisas depois de ter dito algo, pensar se fez algo errado ANTES de fazer alguma coisa é muito pior. Fica aquela sensção de que ou sua opinião é subversiva demais (creio que a razão para eu ter sido censurado anteriormente foi essa) ou é irrelevante e indigna de atenção.

Para qualquer um isso é muito ruim, agora imagine para aqueles que dependem das suas opiniões para sobreviver! Isso é, sem exageiro nenhum, um belo "Cale a Boca!".

A censura não é nada boa para ninguém, nem para o censurado, que perde a oportunidade de expor seus pensamentos, nem para o público, que perde a oportunidade de conhecer outros pontos de vista sobre o mundo. Uma pena constatar que ainda existem países que controlam o que pode e o que não pode chegar ao conhecimento das pessoas. Isso pode ser considerado como uma grave ofensa para a já tão desrespeitada liberdade de expressão.

Espero, sinceramente, que o dia em que a informação possa circular por aí livremente chegue o mais rápido possível, assim, o tal "fim das fronteiras" que a internet traz (já falei sobre isso aqui) pode finalmente se tornar real!

N.E.: eu sei que é irrelevante, mas como esse post ficou sério demais, vou fazer um rápido resumo das vezes em que fui censurado (já que a maior parte dos posts tem pelo menos uma piadinha). A primeira foi na 1ª série (!!!), quando era pra eu ter sido o orador da turma na formatura. Como eu era um aluno rebelde (dá pra acreditar?), na última hora eu fui barrado pela bruxa... digo, diretora da escola (uma vez eu a chamei disso na cara dela). A segunda foi no 2° ano, quando a direção da escola (sempre ela) me considerava "subversivo demais e com um poder de liderar para a revolta muito grande", o que me fez ouvir um simples "Cuidado com o que você diz" de um dos inspetores. Detalhe: depois disso, cada coisa que eu fazia ou dizia era vigiada de perto. A terceira teve a ver com minha grande paixão: videogames. A Tectoy estava fazendo uma pesquisa em sua webpage a respeito do relançamento do Dreamcast. Assim como vários outros fãs do console no Brasil, eu expressei minha opinião várias vezes (sem exagero). Num desses comentários, caí na besteira de citar o governo. Imagina o que aconteceu? Meu comentário foi deletado! Horas depois de ter sido publicado! Isso sem tirar o fato de que eu arranjei alguns desafetos (6 pra ser mais exato) por conta de outras coisas que disse. A quarta vez, a mais recente de todas, foi... bem, deixa ela pra lá. Até o fim do ano eu a conto aqui. =D

Uma última coisa, se alguém ficou interessado, o post controverso no blog da Tectoy ainda está no ar. Se você tiver paciência pra ler cada um dos mais de 200 comentários, vai me achar lá fácil, fácil...

9 comentários:

Eduardo Leite disse...

Tem sempre que ter piadinha senão não é o derek hahahahahahahaha Esse post foi meio que uma réplica à sua última censura que não foi explicitada no post que eu to ligado (a)

dEREK disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Pois é...
Por isso não citei nomes...

Marcos disse...

Derek, mto bom o tema levantado no blog! Aliás, esses posts seus relacionados à comunicação são sempre mto bons!
Porém, tem uma coisa q vc ñ esclareceu...
A propaganda no Brasil ñ é regulamentada pelo governo. Na década de 70 quiseram fazer uma lei própria p propaganda (assim como fizeram com a imprensa), no entanto, a classe publicitária se juntou p arrumar um jeito dessa ideia ñ ir adiante.
Então os publicitários criaram um órgão chamado de CONAR (Conselho de Autorregulamentação Publicitária) q ficou responável por fiscalizar td tipo de propaganda no Brasil.
A ideia deu tão certo q fez o governo arquivar a proposta de criação de uma lei específica p a publicidade.
Hj a CONAR funciona como uma ONG e, pasme, todas as decisões q ela toma são acatadas pelas agências, por mais q isso gere algum prejuízo e ñ tenha valor judicial.
Qualquer um pode denunciar, se se sentir prejudicado de alguma forma, no site do CONAR. A denúncia será avaliada e com rapidez e sem burocracia (até pq burocracia é uma coisa odiada no meio da publicidade) será julgada.
O CONAR é um exemplo q, quando se quer, ñ se precisa 'comer na mão' de certos "Gilmares"...

Leandro Ribeiro disse...

ótima observação o seu post fez. Não estava esperando um post assim, vc esta encontrando seu caminhos mesmo Derek. Parabéns!

ABraços.

dEREK disse...

Realmente...
Falha minha ao não mencionar o CONAR.
Foi mal =D

E... vlw Chico!

- chazz - disse...

é isso aÊ censura não! Liberdade SEMPRE! Somos livres para falar o que pensamos e precisamos disso!

dEREK disse...

Isso aê Chazz!!!!
Graças à liberdade, podemos chamar o Gilmar e o Sarney do que quisermos (tá, nem tento) sem medo de retaliação!
=D

elayne disse...

Derek, (não, eu não vou falar da censura. Vc e o Marcos, com o 'comentário' dele, já fizeram isso por mim) excelente capacidade a sua de deixar seus leitores curiosos! ¬¬
Parabéns, excelente texto! Continue assim... melhorando cada vez mais! :p

Abraço :*

dEREK disse...

Obrigado Elayne!!!
Sabe que curiosidade é comigo mesmo!!!!
=D
Bj